quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Dedução


cláudia helena villela de andrade


No fim da rua tem um círculo.
Lago, patos e peixes.
No fundo, tralhas afogadas,
velhos sapatos,
pedras,
sonhos,
latas e
lágrimas.
Tem também o sangue
do meu olho machucado
pelo anzol desarvorado.
(cada vez que puxo o molinete
uma história nova aparece)
O céu reflete o sol.
Na margem, o silêncio do prado
e a visão que só enxerga quadrado.
- geometria mal formulada –
Um triângulo estanca um
barco que navega para o espaço.
Relembro Manuel e Carlos.
Das pedrinhas, das estrelas,
do mar dentro do lago.
É a Pasárgada
do dia inteiro
que passa por mim
iluminada!

3 comentários:

Anônimo disse...

Que lindo caminho vc está percorrendo Adorei!!!!!!!!
Bjs

F disse...

Claudinha, Parabens pelo blog... Estarei sempre acompanhando...Sua cadela esta mesmo parecendo um ET nesta foto.. Beijocas

anna disse...

AMEI AMEI, vou cruzar esta rua. Quero ver onde a sua rua cruza com a minha....... pelo visto não "onde" mas "quando": todos os dias.....te amo, cára!