domingo, 13 de setembro de 2009

Vai cuidar da sua vida



claudia helena villela de andrade


  Seria a primeira coisa que algumas pessoas deveriam ler numa plaquinha, ao levantar da cama de manhã. Coisa de mesinha de cabeceira, sabe como é? No meio daquela tralha toda que a gente quer ter ao nosso lado, sobre um quadrado de 50 x 50 centímetros, como o copo-d’água, o controle remoto, o abajour, o terço, o santinho, o cristal, o despertador, a caneta, o bloquinho de notas, pilhas de livros, remédios, tudo que usamos mesmo estando dormindo. Num espaço pequeno, porém bem angulada, perto dos óculos, de preferência, a plaquinha estaria lá em letras garrafais, pirogravadas, reluzindo, atraindo como um ímã a atenção do “despertante”. Sonolento, ele leria a frase que dou título a esta crônica: VAI CUIDAR DA SUA VIDA! Instantaneamente o desconfiômetro sofreria um colapso de neurônios e os olhos, além de enxergarem, emitiriam para a alma essa mensagem: VAI CUIDAR DA SUA VIDA! Negócio de neurociência, programação do cérebro, etc.,mas que também funciona bem como autoajuda e espiritualidade. Tudo misturado, ele levantaria tranquilo, assimilando aquele aprendizado e iria mesmo praticar a frase.
Fala sério! Tem gente que se sente dona do verbo ACHAR. Já reparou? Tudo ele acha! Ele acha isso, aquilo, aqueloutro. “ Chifre em cabeça de burro”, ele acha também. Dá palpite, tem a fórmula dos acertos da vida. Nunca tropeçou. Andou sempre em linha reta, no trilho (e a gente sabe que o último que andou sobre o trilho do trem, foi atropelado). Mas ele é o dono da verdade! O sabe tudo. Sim, ele sabe de tudo. Tem até dons proféticos e volta e meia diz, viu? Eu sabia! Eu avisei! Crítico absoluto. Phd em Harvard. E a sua vida está lá, parada, esperando sentada por ele, tadinho, tão sem tempo, ocupado. Cuidando da vida alheia!
Não seria boa esta plaquinha?
Ouvi esta história, outro dia, narrada por uma grande amiga. Para ela havia um sentido. Contou-me que durante anos acordou com a tal plaquinha na mesinha de cabeceira. Hoje em dia, ela não precisa mais desta técnica, graças a Deus e a sua sabedoria.
O leitor amigo também dará o seu sentido, pois a carapuça entra conforme o tamanho da cabeça, não é mesmo? De qualquer modo, fica a idéia. Quem sabe você não queira usá-la ou dar de presente a alguém?







7 comentários:

Ligi@Tomarchio® disse...

Claudia!
Gostei demais do seu Blog!
sua crônica, ótima e a sugetão da plaquinha é genial. preciso de algumas para dar de presente, além da minha, é claro...rs...
Beijinhos mil!!!
Ligi@Tomarchio®

Anônimo disse...

Oi Cláudia!
Estive visitando seu blog... A crônica "Vai cuidar da sua vida!" é
ótima. A mesinha de cabeceira que você descreve é quase a minha...
para ser faltou a Bíblia! rsrs

Abraços, Rosende.

Anônimo disse...

Oiiiiiii...
Gostei da plaquinha..é isso que ando fazendo utimamente..e esta uma maravilha!!!!!!!!!!!!
Eliana

Anônimo disse...

Bem dito, Claudinha. Adorei.

Beijo!
silvana

Anônimo disse...

Li, gostei.
Vou indicar no próximo Jornal do Trem. Só que agora,
quando acordo, o meu lema é: "Vai cuidar da vida da
Bia!". Ouço a vozinha dela e... cadê eu?
Ana Suzuki

casadafloresta disse...

Hi hi hi ,adorei !!Ótima sugestão de presente para algumas pessoas e para mim também ,rsrsrs !!Bjimssssss

Anônimo disse...

POis essa crônica cai como uma luva para uma multidão de achistas......Valeuuuuuuuuuuu!
BEL