sexta-feira, 19 de março de 2010

E o outono chegou...



OUTONO



Cláudia Helena Villela de Andrade


Trago o outono dentro deste poema

e recolho suas folhas manchadas de amarelo.

Do outro lado do mundo a primavera sangra.

Flores vermelhas desabrocham-se

em jardins-túmulos.

Crianças desconhecem suas ruas.

Mulheres choram a agonia crônica.

Os homens tornam-se outonos

espalhados pelos ventos

 silenciosos

 espantados pela morte.

Nenhum botão de rosa branca se abrirá

e a cidade passará à próxima estação.

Quando o inverno, enfim, chegar naquele lugar,

meus pés estarão inchados de tanto verão

e meu coração parado de absurdo.

Não existe inverno em Bagdá?

Mas existirá.

Existirá.








3 comentários:

rosa pena disse...

Seu blog está lindo!!!!!!!!!!!!!!!!1
beijos e beijos..rosa

Luiz Delfino de Bittencout Miranda disse...

Um Bagdá.
Um inverno sombrio,
seu poema Claudinha,
pe um cobertor
um alento
é o grito
preciso por lá.

Te adoro

Luiz Delfino

casadafloresta disse...

Noooossa ! Tá demais o blog de "Outono" !! E os escritos também !Parabéns , minha amiga !!