domingo, 6 de dezembro de 2015




A PIANISTA LOURA


Cláudia helena villela de andrade

Sentada na banqueta
a moça esbelta rodopia.
O piano rouco
é como um grande pássaro preto,
que em suas mãos apenas pia.
A partitura flutua
na curva da clave de sol.
Bemol nem sempre é mais intenso
que as pernas longas da loura   pia... nista.

(Na platéia os homens nem piscam,
querendo olhar os fundilhos dela).

Mozart dorme em seu berço esplêndido.
Que sorte não estar presente!
E nós aqui, rangendo os dentes.


sexta-feira, 4 de dezembro de 2015






Sexo grupal

cláudia helena villela de andrade

Quem? Quem?
Sou eu, xará.
A solidão

terça-feira, 1 de dezembro de 2015






Desagua quente



Claudia Helena Villela de Andrade 


A chave gira  
e o tempo passa. 
  
Permeia suave  
à  espera. 

O coração marola 
e emana brisa 
dissolvendo a vida no fogo
das ondas.

domingo, 29 de novembro de 2015

Tríade

 claudia helena villela de andrade

Eu chovo
Tu esfrias
Ela ventania


quarta-feira, 18 de novembro de 2015




A chave do mar

 cláudia helena villela de andrade

O amor
namora,
ora
aqui,
ora
lá.
Meu coração 
 marola...

 Emana brisa,
 ora
 aqui,
ora
 lá...

 No silencio dos pecados dos  piratas.

Cada qual com sua
espada

parte o vento
pálido que revela

a chave do mar

na transparência

da maresia  





sábado, 15 de março de 2014

Viva a poesia!

foto google


Veneno

cláudia helena villela de andrade ( Inspirada na Cascavel da Marcia Souza...ops... que ela achou em casa)

Seus olhos de sombra .
deram bote no meu dia
falsa,mortífera,
chacoalha a bunda vadia.

Bifurca, enforca,
lava a boca de batom
maçã do amor rastejante
cujo antídoto é a poesia.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013



Entre(tantos)
 

Cláudia Helena Villela de Andrade

Tantos
entre nós
dão nós
apertados.

Uns,
 razão.
Outros,
 paixão

Tantos,
longe de nós
De
noz- moscada.

 - Entre, companheiro.
O coração compreende,
o barulho, a pedrada!
Arde.

Entretanto,
dou um laço largo
e vermelho
em seu pescoço.
(sorriso esperto)

  no cadafalso,       
                               m
                                e
                                u
                                         
                           alçapão.


  

sábado, 7 de setembro de 2013



Vida de artista

Cláudia Helena Villela de Andrade

Nasci música,
vivo circo
morrerei  teatro
sem tirar a máscara
que  dança
e canta em mim.

sexta-feira, 17 de maio de 2013




CULTURIX

cláudia helena villela de andrade 

Cartilha antiga.

Num belo  dia ,
vovó viu a uva
na casa de Diva !

 Cartilha moderna

O AR15 estava calibrado,
furou cinco,
fez o maior estrago!

Sapiência

Adorno o tempo
na mágica do saber,
só não sei pra quê?

Desinteligência

Ninguém pode
com fantasma   letrado.
Chora, recita e autografa!

Analfabetismos

Nem alfa,
nem beta,
o bolso é que soletra.

Diploma

Enfeite de parede,
charuto de traça.
O tempo é de trapaça.
  
Deus

Luz  que acalma a alma,
início e meio
de todas as  dúvidas.

Diabo

Fim
das
dúvidas.





quinta-feira, 14 de março de 2013


PoemAmor

 cláudia helena villela de andrade

 ANTES DO ATO


Só arfar,
subir a  bandeira.
Língua pra lá,
língua pra cá.
É pegar ou largar.
É largar ou pegar,
numa aflição
de acasalar.

 Ficar sua
embaixo da lua,
nua feito um careca,
eleva-me,
enleva-me,
leva-me,
Amém.
  
No ato

 Abundamo-nos
de nádegas.
Que lindas!
Contraem-se,
envergonhadas,
para, em seguida,
suarem safadas.

 APÓS O ATO
  
Nuances de nós
ficam nos lençóis
quando terminamos,
meio azul, meio verde,
tão bom, que  daltônico.


quarta-feira, 6 de março de 2013





Chorão

cláudia helena villela de andrade

Lágrimas aos borbotões
sintonia fina
deságua na morte.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012


Uma criança, um nome

claudia helena villela de andrade

     Era uma vez um menino chamado “Era uma vez”.  Por que será que sua mãe lhe deu esse nome? Todo mundo perguntava e ele não compreendia. A mãe de Era uma vez, apenas dizia que era um lindo nome que ela escutou no rádio.
     Um dia, Era uma vez começou a se lembrar dos amigos da escola que também tinham nomes esquisitos como o seu: Micael, Maike, Ueliton, Diones, Dionatas, Tauã, Elvis Lennon, 1-2-3, 1-2-3-4, Maniluana, Bariane, Dayg Liry, Garcy Kelly,   e se perguntava sem parar, o porquê do escrivão do cartório deixar fazer tais registros? Permitiam que tantas crianças crescessem tristes, com vergonha do próprio nome! Tudo por preguiça de explicar a mãe ou ao pai, que isso não era nome que se desse a um pequenino. Tanto nome bonito, João, Carlos, Mônica...
     Carregar esse peso, não era tarefa tão fácil. Ele sabia disso e cada vez que alguém perguntava o seu nome, ficava morto de vergonha. Cochichava, falava bem baixinho, olhava para o chão, timidamente. O interlocutor sempre pedia para que ele repetisse, pois não havia entendido: — Fala mais alto, menino! 
    Como aquilo doía!
    Um nome pode trazer traumas e nem todo mundo tem dinheiro para pagar um advogado e trocar esse selo.
    Era uma vez era uma criança triste. Não conhecia nenhum xará daquele seu nome que a mãe escutou no rádio.
    Então, teve uma grande idéia: adotar outro nome, mesmo que só da boca para fora.  Chamaria-se Zev Amu Are, seu nome escrito ao contrário e diria para todo mundo que era seu nome em árabe.
   

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Um buraco sem fim




     UM BURACO SEM FIM

    claudia helena villela de andrade

    Primaverei pela primeira vez numa véspera da estação das flores, num vinte e dois de setembro, nem sei que ano. Foi um dia. Não. Não é nascimento, que sou de outubro do dia cinco.  É primaverar. Mais que isso. Desabrochar, brotar, germinar, aparecer, sangrar. Sair da meninice e ser mulher. Não é mais que nascer? É sim. É nascer duas vezes, pois aí se atina para vida e  se começa a notar que o coração bate por um bom  motivo. Quase sempre, nessa época, o coração bate por um par de calças bem marcadas com volume e  fogosidade. Feridas a gente ainda não tem. Só as dos joelhos manchados de mercúrio cromo por algum tombo de bicicleta ou as do canto do dedo da  unha roída. Mas as cascas dessas feridas começam a cair justo nesse momento. Só muito depois é que a gente vai dar conta de que essas feridas eram ótimas. Mas, isso é só muito depois. Caem e nascem outras mais dolorosas, demoradas na cicatrização. Feridas que partem pra cima da gente como uma pedrada, sem a menor comiseração. Rápido começo de vida. Chegam os tropeços, os enganos. Chegam as mentiras, as fantasias e os desejos. Impulsos  de botar o dedo na panela quente. Queimar, arder, queimar, não importa. O sentir é mais que toda a primavera junta. É toda estação florida. Cores, perfumes, calor e alguma chuva. A pele muda. Os pés só querem dançar e o corpo balança de um jeito assanhado, moleque, faceiro. Quem está de fora adivinha a intenção e a cara nem fica vermelha. A cara ainda acredita na vida e nunca olha pra baixo. Tempo bom! Ai, que saudade dói! O pensamento só se ocupava disso. Só isso. Primaverar em paz. Pensei que fosse durar para sempre. Pensei que a velocidade fosse coisa da  modernidade. No fundo a gente pensa tudo errado de tudo. E  tudo é um buraco sem fim. Nem sei se ainda existe primavera. Existe?

sábado, 6 de outubro de 2012





PROCURANDO UM TEMA

Cláudia Helena Villela de Andrade


Capitu sabia muito bem o que todo mundo não sabia direito. Que ela era gay. Bentinho desconfiou. Mas, a certeza absoluta só veio quando se revelou que ele não havia sido traído com um homem. Na verdade, seu rival era uma sapata disfarçada. Coitado do Machado. Virou no túmulo lá no São João Batista: “O que fizeram da minha Capitu? Já foi chamada de piranha, puta, salafrária, mas de sapata, isso é demais da conta. Não quero mais ser escritor nas próximas dez encarnações. Como um homem com o meu cavanhaque pode se encarar no espelho?”.

Um homem se estrebucha quando isso acontece. Ser traído pelo melhor amigo não dói tanto quanto ser trocado por um ser do mesmo sexo. Assim também se sentem as mulheres que pegam seus maridos com o amigo, o vizinho, “et caetera” e tal. O sujeito ali, de quatro, na posição em que Napoleão perdeu a guerra... Dizem. Deve doer mesmo. Lá e cá.

Mas não se assustem. Falei de Capitu porque me veio à mente essa personagem tão ambígua de Machado e o próprio escritor tão macho atrás dos seus bigodes. Perguntei-me como seria se isso fosse a verdade dos tempos que se foram. Hoje em dia, isso não teria o menor problema. Está tudo virado mesmo, pois a bunda é apenas mais uma parte do aparelho sexual humano. Mas Capitu gay? Isso venderia todas as edições nas ruas escuras, nos escondidos, nos prostíbulos, nas portas das cozinhas de todo o reino. Machado, rico ficaria. Imagina! Por que Machado não pensou nisso? E olha que o homossexualismo não é coisa nova. Sócrates bem sabia disso. E o que seria novidade no mundo de hoje? Big Brother, incestos, filho matando pai e mãe, safadezas políticas, drogas, Harry Potter, clones, guerras. O que seria novidade e venderia feito água? Nem sexo de  animal com homem é novidade. As revistas estão cheias de mulheres fazendo com cavalos e homens com ovelhas. Não existe mais novidade. Não temos mais nada de novo para contar.

Machado chega pra lá. Vou me deitar ao seu lado.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012



A VOZ DO MEU SILÊNCIO

cláudia helena villela de Andrade

A voz que me fala é breve.
Não me amanhece.
Não me alisa.
Não me beija a boca.
Vacila na adrenalina do trapezista e
na coragem  do domador.
Fareja esconderijo
em   sinagogas,  mesquitas e  igrejas.
Procura castigo, perdão e razão
nos sete pecados capitais.
Freqüenta terreiros, lugares suspeitos.
Aguarda vento Norte
que  chicoteia o corpo.
A voz que me fala também grita.
Mas eu me calo, para não me desarmonizar.
Não transbordar afeto,
não me fazer infeliz.
Às vezes, nem sabe que existo
porque ando com os pés no chão
para não despertá-la.
Para não reconhecer tons graves
e me perder em harmonias agudas que desconheço os ritmos
podendo, sem querer, virar hinos.
A voz que me fala me vicia.
Compassiva, me silencia.
Esvazia minha sementeira e colhe razões.
A voz que me fala arrepia.
Deseja minha flor, minha sabedoria.
Não rega.
Não fertiliza.
Não ara minha terra.
Não gira meus chacras.
Não me magnetiza.
Apenas deixa-me em transe.
A voz que me fala distancia-me das quimeras.
Não me sussurra.
Não lambe meu sereno.
Não me cobre corpo, nem me vela sono.
A voz que me fala só me faz escutar quando morre,
no silêncio da hora exata,
depois do eco, depois do suspiro, depois do alívio
da minha paixão satisfeita.
Mas o que ela me fala, mesmo na morte,
nem sempre  quero  escutar.
Porque o silêncio é minha voz, sempre.
Na vida.
Na morte.
Em qualquer lugar.

quarta-feira, 25 de julho de 2012


DA VINCI

cláudia helena villela de andrade 

Da Vinci desenhou
inventos,
 outros lapidaram.
 Era feliz nas pinceladas
de aprendiz.
Sorrira muitos sorrisos
para Mona Lisa ser Colgate.
Bobagem,
ele sabia o tamanho certo da alegria.

Da Vinci não quis ser muito.
Servir ao mundo já  bastava.
Mas o ar sempre dizia:
—Leonardo, inventa a Arte!

domingo, 13 de maio de 2012



A  nova era

Cláudia HelenaVillela de Andrade


Eu calipto
Tu caliptas
Nós caliptamos
 com o machado, por dólares.
Olho por olho, verde por verde.
.

domingo, 18 de março de 2012


A CHAVE DO TEMPO

Claudia Helena Villela de Andrade
A chave gira
e o tempo passa.
 
Permeia suave
à  espera.

O coração marola
e emana brisa
dissolvendo a vida
em nada.

sexta-feira, 16 de março de 2012

O RIO



O RIO 

 Cláudia Helena Villela de Andrade 


 H2O, 
 doce melancolia.
 A solidão deságua companhia.
 O rio é mistério, natureza de mim. 
 Mergulho imensidão 
profundezas obscuras.

domingo, 22 de janeiro de 2012


VIGÍLIA

Cláudia Helena Villela de Andrade




 Se eu não dormir?



Ultrapassar sem falha

A impaciência da insônia,

Das horas no vácuo,

Ouvindo o pêndulo do relógio da sala

E a luz da lua que não se mexe

No silêncio de Orion sem cauda,

Fixa, permanente.



Vou plantar sonhos na minha seara.

 Ceifar a noite decantada de madrugada,

Sem descanso, feito um rio de inverno que não seca,

Filete sem vida.

Insistente.


 Se eu não dormir?

O sabiá não cisca o grão na minha mão

Porque a trava do viveiro quebrou

E os pássaros migraram de mim...

Estão aqui e deixaram-me.

Voam sobre pastagens e

Perseguem os cantos de quem nunca morre.

Não adianta ter pássaros em gaiola.

 Se eu não acordar?

Meus olhos vão sangrar

De peso e de pedra.

Minhas mãos, em cruz,

Sem o próprio abraço.

Nem a terra há de querer

O resto sólido da minha alma.

Para sempre insepulta.






quinta-feira, 19 de janeiro de 2012



Te (a ) mores



Cláudia Helena Villela de Andrade

No jantar de ontem eu comi um gato.
Ele estava vivo e esperneava pela minha goela abaixo.
Quando só faltava entrar a cabeça,
ele miava, gritando feito um louco.
Eu sentia o cheiro do mijo dele.
(Mijo de gato é selvagem, forte, agourento.)
Ele urinava até escorrer pelas minhas pernas.

Meu avesso estava todo arranhado.
Eu sangrava. Ele miava dentro de mim.
Peludo, dava-me enjôo.
Asmático,  deixava-me sem ar.
Estúpido, dengoso, dissonante.

(Lua que canta fora do céu:
nobody, nobody.)

Gatos cantam sob a lua cheia
no silêncio do tempo.
Olhando a gente no olho
com amor e coragem.





Vício

Cláudia Helena  Villela de Andrade



Enriquecer aborrece-me,
porque a fartura faz preguiça
numa lengalenga de balanço,
num ritmo de dar gastura.

E o que desejo, passa depressa
em dias de muita precisão.
Mas passa sem desenvoltura
nas noites aperreadas. Solidão.
 
Pensando no quê mais precisar
se tudo tenho e não divido.
Só quero mesmo é juntar,
dinheiro, pão, egoísmo.
Amor é divino querer,
que, acho, não vou merecer.
Então, o que posso fazer?
Enriquecer, enriquecer.






terça-feira, 15 de novembro de 2011

poesia






PERENE

claudia helena villela de andrade

Perene é a água dos olhos.

Gotículas perpétuas de sal.

Filete de água que enruga a testa,

goteja, evapora e volta.

Em cada gesto a delicadeza do afeto

que embaça o sonho,

que chora, inesperadamente

nas dobras dos punhos,

na pupila da alma que a realidade degola

ofegante de medo.

Preto e branco. Desafinado. Torto.

Eternizado no sonho.

Viajante silencioso que bate a porta atrás de si

sem olhar para trás.

Com cem olhos para frente.

Se fosse cego, perene seria o eco.











quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Poeminha rápido



Constatação


cláudia helena villela de andrade



Semente

no chão

rega-se :

paixão



O olho de gato anuncia:



Sete vidas

Sete destinos,

Sete dores,

nenhuma saída.

domingo, 24 de julho de 2011

Belle-de-jour



BELLE-DE-JOUR




cláudia helena villela de andrade

Catherine disse à mãe que ia ao cinema naquela tarde, mas foi ao motel com dois homens. Foi amordaçada e violada. Depilaram-lhe todos os pêlos. Passaram máquina zero nos seus lindos cabelos ruivos. De volta à casa materna, contou que depois do cinema fez um tal de alisamento japonês. Não deu certo. Os cabelos caíram.
Dia seguinte, de neuve no motel, Catherine fedeu. Foi, sem saber com quem. Amanheceu vestida e morta. Degolada. A cabeça estava em cima da televisão, porém a careca estava coberta por uma peruca ruiva.
Depois do enterro, a mãe de Catherine foi ao cinema que a filha gostava tanto. Comeu pipoca, tomou refrigerante, saiu sorrindo da sessão-comédia e esqueceu a adaga na cadeira ao lado.

sábado, 18 de junho de 2011

Hibernação




HIBERNAÇÃO

 
claudia helena villela de andrade




Nessas paragens rebrilham com desvelos
os cata-ventos ancestrais.
Contraditório ao tempo,
fenômenos sopram lembranças
retorcendo os enigmas sombrios.
Vacilo entre um bocejo e outro,
trazendo à tona o meu tédio.
Às avessas, escondo-me no casulo com hálito de silêncio.
Palavras se aquietam em minha boca.
Consumo o lume que verto pelas ventas.
Cansada dessas banalidades do planeta, dos revoos,
desses enredos inertes,
hiberno na minha caverna para ser eu mesma.

sábado, 7 de maio de 2011

Quando o tiro sai pela culatra



Quando o tiro sai pela culatra


Claudia Helena Villela de Andrade



Hoje acordei, liguei meu computador e li em letras garrafais, estampadas em um site: “Bolsonaro diz, próximo passo é a legalização da pedofilia”. Chocada eu pensei: Meu Deus, ninguém vai calar a boca desse sujeito? Não existe lei para isso? Um homem público, como ele, pregando, a céu aberto, a violência, o preconceito, a arrogância, a incompreensão cruel dos que determinam o que é certo ou errado. Olhei a sua foto e o que vi foi um daqueles Inquisidores da Idade Média. Seus olhos brilhavam de tanto ódio pelos diferentes e especiais. Respirei fundo para não me desarmonizar com pessoas que não valem à pena. Contei até dez pedindo a Deus que me fizesse compreender aquela criatura (sim, Deus, porque eu tenho um Deus e ao contrário do que ele pensa, o meu Deus me ama muito. O Deus dele é que eu não sei se o ama).

Imediatamente após esses momentos de reflexão, algo me fez perceber que, na verdade, o tiro do Bolsonaro estava saindo pela culatra, pois ele está chamando a atenção das autoridades e dos homens sérios e sensíveis desse pais para a necessidade de se estabelecerem leis que defendam a dignidade dos homossexuais. O mal nunca vence o bem, é um clichê, eu sei. O Universo conspira a favor do amor e faz com que, o que parece ruim, se torne bom.

Quantos homossexuais são pedófilos? Eu não conheço nenhum. Pode até ser que exista. Mas não é neste grupo que a estatística aponta como maioria. Não quero jogar pedras no telhado de ninguém. A pergunta foi só uma reflexão.

Acabei minha meditação feliz e confiante. O pobre Bolsonaro está mesmo é sendo usado para que se estabeleça a verdadeira dignidade em todos os seres, sem discriminação. Provavelmente ele deve ter sofrido muito na infância ou na adolescência. Seres que tratam desse tema com crueldade e repulsa, provavelmente sofreram e sofrem, inconscientemente, grande conflito com a sua sexualidade.

Nada se perde, Sr Bolsonaro. Sua propaganda só tem ajudado. Continue assim, por favor. Uma vitória já aconteceu...outras mais, virão. A escuridão, segundo Einstein, é apenas a ausência de LUZ.

sexta-feira, 29 de abril de 2011




DECLARAÇÃO DE BENS

cláudia helena villela de andrade


Quero declarar meu amor ao imposto de renda

e ver se ele me devolve o meu bem estar,

não me cobrando taxas extras,

em parcelas iguais sem carinho e afeição.

Quero ver se o leão não morde minha individualidade

e me deixa ser apenas mais uma declarante...de amor.

Vou tentar passar pela malha fina sem responder nada !

Ah, fisco danado !

Quero gravar em cd meus gritos de prazer !

E, fora do prazo, entregar minha vida em suas mãos !

Vou beijar seu site,

fazer carinho no recibo carimbado,

sem lacre, sem cola...

Declarar meus bens, muito bem...

bem até demais
(e sem menopausa),

 até o ano que vem !

sexta-feira, 8 de abril de 2011



DAS BREVIDADES...


cláudia helena villela de andrade


Que breve pode ser o amor...

Efêmero aos olhos atraentes,

Instável quando inexistente

Eterno sempre que verdadeiro.


Que breve nunca seja a poesia...

Do encanto maior do seu autor

Do ritmo que balança os versos

Da magia da pena sobre o branco.


Que breve é a vida...

Renovada a cada aurora,

Desabrochada num vermelho dia

Para o consolo de todas as almas.


Que os pássaros batam suas asas

Em vôos longos, por terras estrangeiras

Mas voltem a cantar em nossas janelas

Tão breve quanto o tempo assim marcar.


E a Brevidade (quitute antigo)

Feita em forma de empada,

De tenra massa polvilhada,

Ainda que breve como a vida,

Seja degustada e digerida...